O atum, um alimento básico da dieta Mediterrânea

O atum destaca dentre muitos pescados de água salgada por suas altas propriedades nutritivas, pois é rico em Omega 3 (ácidos graxos polinsaturados que se encontram em alta proporção nos tecidos de certos pescados, e em algumas fontes vegetais como as sementes de linho, o alpiste e as nozes), e o ácido linoleico.

Pertence à família dos atuns, no inverno vivem nas profundidades do Oceano Atlântico, precisamente no triangulo que formam Madeira, As Ilhas Canárias e Açores. Não obstante, no verão sobe até o norte deste oceano, seguindo em sentido a diferentes peixes gregários.

A captura deste peixe mostra que muitos séculos atrás, quando se usava o tradicional sistema de pesca e o qual consistia em arrastar atrás da embarcação uma isca para pegar assim este precioso peixe.

Isso significa que estes eram pescados um a um, permitindo a seleção dos exemplares melhores, de uma maior qualidade. Sua carne é muito saborosa e suave.

atum

Para prepará-lo: Na cozinha, pode-se preparar de diversas formas, o que é muito versátil. É ideal para preparar recheado, assado e frito.

Nota: Demonstrou-se experimentalmente que o consumo de grandes quantidades de Omega 3 aumentava consideravelmente o tempo de coagulação do sangue, o qual explica por que em comunidades que consomem muitos alimentos com Omega 3 (esquimós, japoneses, etc.) a incidência de doenças cardiovasculares é muito baixa. Algumas experiências sugerem também que o consumo de Omega 3 tem efeitos benéficos sobre o cérebro. Altas quantidades poderiam diminuir os efeitos da depressão e inclusive grupos de meninos em idade escolar aumentaram notavelmente seu rendimento após ingerir pílulas com azeite de peixe (rico em Omega 3).

Leia também os artigos Relacionados

  • Dieta mediterrânea: como é a dieta mediterrânea?
  • Alimentos indispensáveis para a saúde
  • Top 6 alimentos saciantes
  • OS BENEFÍCIOS DE COMER BETERRABA
  • Efeitos da dieta vegetariana na saúde
  • Deixe o seu Comentário